8 artistas que Pio Lobato influenciou na música brasileira

O guitarrista paraense é um dos responsáveis pela propagação e reinvenção de ritmos regionais como a guitarrada.

Foto de destaque: Renato Reis

Há décadas presente e latente na música paraense, Pio Lobato é um dos guitarristas brasileiros mais aclamados da contemporaneidade. Ele acabou de lançar mais um álbum experimental que instiga outros artistas a repensarem a música. “Brinquedo” chegou às plataformas digitais no dia 30 de novembro com quatro faixas, sendo uma suíte de 18 minutos, que leva o mesmo nome do álbum, e as restantes, “Ladainha”, “Derrapada” e “Casa Velha”.

O momento é oportuno para identificar que outros artistas e bandas tiveram influência desse artista, compositor e produtor paraense, afirmando sua importância na música nacional. A lista foi feita em parceria dos músicos e guitarristas Leo Chermont, que assinou a co-produção de “Brinquedo”, e Lucas Estrela.

Lucas Estrela

O músico paraense que ganhou destaque no cenário independente brasileiro tem sua produção influenciada pelo disco “Tecnoguitarradas”, de Pio, lançado em 2007. O disco foi um marco na mistura da guitarrada com as batidas de tecnobrega criadas na periferia do estado. Lucas Estrela experimenta essa mistura trazendo outras influências que intercalam ritmos populares no norte brasileiro com beats criados em computador. Pio foi um padrinho no início da carreira de Lucas.

Dona Onete

A música de Dona Onete tem muito da guitarra de Pio Lobato, apenas pelo fato de que ele é o guitarrista que acompanha esta mulher faceira nos shows e no estúdio, gravando, produzindo e arranjando as composições dela. Em grande parte das músicas, o sopro ganha protagonismo, mas podemos perceber bem os solos e a levada do carimbó chamegado na guitarra de Pio.

BaianaSystem

Dentro da pesquisa sobre música periférica e negra, a conexão do BaianaSystem com Pio Lobato foi grande a ponto deles escreverem uma música em homenagem ao guitarrista, chamada “Da Calçada para Lobato (Pio Pio)”, que integra o primeiro disco da banda soteropolitana, que também chama “BaianaSystem”.

Lucas Santtana

O cantor baiano também notou o forte trabalho de Pio Lobato e resolveu lançar uma música experimentando sua guitarra do jeitinho paraense. “Recado pro Pio Lobato” foi lançada no disco “Sem Nostalgia”, em 2009

Lúcio Maia, do Nação Zumbi

Em seu segundo álbum solo, assinando com o nome de “Maquinado”, Lúcio Maia gravou a música “Recado ao Pio, Extensivo ao Lucas”, em resposta à música “Recado para Lúcio Maia”, música do Pio lançada em 2001 e para a “Recado pro Pio Lobato”, do Lucas Santtana. Enfim, muitos recados, mas a música e guitarra paraense é marcante nas três composições.

Dj Dolores

O músico e produtor pernambucano DJ Dolores é outro que bebeu do jeito paraense de fazer música, através de vários mestres da guitarrada e de Pio Lobato. Em 2008, ele dirigiu o álbum duplo “Música Magneta”, que trazia Mestre Vieira, Curica e Aldo Sena tocando ao lado de integrantes do Mundo Livre S/A, Nação Zumbi e Pio Lobato, no primeiro disco, e remixes dessas músicas no segundo, assinado pelo DJ Dolores.

Chico Corrêa

O próprio Chico vai te contar essa história:

“Conheci o Pio pessoalmente No RecBeat, por intermédio do Helder (Dj Dolores) em meados de 2002, desde então ficamos bons amigos e começamos a trocar idéias musicais, ele me apresentou o Tecno brega, A Gabi do Tecnoshow, A turma do Pará, Os mestres etc. Acabamos nos encontrando mais vezes, em eventos fora dos nossos estados (PB e PA), no Rio, Brasília, Sao Paulo e no Pará, e sempre que estávamos na mesma área faziamos algo juntos. Pio tem uma riqueza musical e uma inquietação tamanha, é o Ry Cooder do Pará, tem cara de nerd mas é um maluco musical (no bom sentido) dos bons, além de se adapta fácil a qualquer contexto musical com muita personalidade”, Chico Corrêa, em 2007, disponível em Overmundo.

STROBO

Todo guitarrista belenense entende a importância do trabalho de Pio Lobato e, de alguma forma, recebe influência dele. Não foi diferente com o Leo Chermont, outro guitar hero paraense e integrante da banda STROBO.

“Eu acho que o Pio influenciou toda uma geração, tanto daqui [Belém] quanto de fora. Se a Céu fala que o disco dela tem influência do Mestre Vieira é porque o Pio tava envolvido nesse resgate do mestre. Então, se não fosse o Pio, essa cena da guitarrada nova não ia existir, essa nova geração que quis ser pop tropical, desde Felipe Cordeiro até STROBO, que a gente tem umas músicas que são totalmente Pio Lobato no Tecnoguitarradas, tipo “Pop Guiana”. Além da própria sonoridade dele, esse resgate que ele fez dos Mestres da Guitarrada influenciou toda a cena”, declara Leo Chermont, que assina a co-produção do nosso disco de Pio.

Sobre essa produção, Leo Chermont conta que “a relação com o Pio é uma relação muito massa. Eu adoro o Pio, acho ele um cara super inteligente, eu já entendi o humor dele, já entendi como ele funciona e a gente funciona muito bem fazendo um disco que ele é tão chapadão quanto eu pra querer lombrar com som de guitarra. Ele já tinha os temas e a gente foi amarrando e timbrando do jeito que eu achava mais legal e tudo mais. Na verdade, a gente conseguiu fazer um disco muito bom por conta da entrega de um com o outro, tanto de amizade quanto de sonoridade, de querer fazer um som bom”, finaliza o músico.

OUÇA “BRINQUEDO”


0 I like it
0 I don't like it

(Jornalista)

Gustavo é jornalista e gerente de comunicação do selo Urtiga.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *